A relação entre armas e a (in)segurança nos EUA

O esforço do qual alguns jornalistas fazem para colocar o “direito à posse de armas” dos cidadãos americanos como um fator de desequilíbrio social, como uma das causas da violência, é espantoso. Afirmam que há cerca de 30 mil mortes anuais “causadas por armas de fogo”. Se esse número fosse real, ainda assim seria menor do que a metade do número no Brasil desarmamentista. Porém,  esse número foi inflacionado pelos democratas. Eles colocam nesta estatística todos os casos de legítima defesa, suicídio ou confronto direto entre polícia e bandidos. Ou seja, em grande parte dos casos, “as vítimas das armas” são aquelas que procuraram por isso, e foram alvejadas por legítima defesa.

Outra farsa diz respeito à omissão quanto ao número de homicídios por estado, e não apenas do país em seu todo. Quais os estados mais violentos da América do Norte? Justamente os que possuem maior restrição em relação às armas. Entre inúmeros artigos sobre o tema, destaco um estudo da universidade de Harvard o qual demonstra a correlação: as gun ownership increases, murder and suicide decreases (quanto maior o número de pessoas que possuem armas, menor o número de homicídios e suicídios).

Bandidos não cumprem lei desarmamentista. Esse tipo de restrição (usado por Mao, Lenin, Hitler etc) abre caminho para bandidos invadirem residências, pois a certeza de que encontrarão uma família desprevenida é garantia de um roubo (ou latrocínio) bem sucedido. No livro ‘Mentiram para mim sobre o desarmamento’ de Bene Barbosa e Flávio Quintela, há enorme quantidade de pesquisas provando a máxima: ‘a legítima defesa é um direito sagrado’. Ao se adotar medidas para que o cidadão de bem possa se defender, a realidade dos países mais seguros para se viver é a prova de que o caminho para a paz é a garantia deste direito, o direito da legítima defesa.

casa

Enquanto em nosso país há números recordes de assaltos e homicídios, e as pessoas tem medo de, não apenas andar pelas ruas, mas medo até mesmo de ficar dentro de casa, nos países como os EUA, Suíça ou mesmo nos nossos vizinhos latino americanos, quem mais tem o que temer são os bandidos.

Um dos prazeres em visitar os EUA é a sensação (real) de segurança. Morei alguns meses na cidade de Irvine, CA, e em Boston, MA, e tanto na pequena cidade ou na grande Boston, durante o dia ou a noite, você fica confortável em caminhar pelas ruas, passear em uma praça, pegar um ônibus ou um metrô. Mas o melhor é poder dormir em uma casa sem portões, com o carro na rua, sem preocupações quanto a segurança, pois qualquer tentativa de arrombamento termina mal, na maioria das vezes, para o bandido. Eles nem pensam duas vezes, preferem não arriscar. As grandes cidades possuem seus problemas de segurança (voltarei neste assunto) mas está longe daquilo a que estamos acostumados a ver nos países aonde a posse de armas se restringe à polícia e aos bandidos.

Siga no facebook

Para contactar o autor do texto, siga

Leia também

Além de feriado nas sextas, crise deixa Venezuela sem Luz 4h por dia

 

Anúncios

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s